sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O meu testemunho

Já por aqui ando há demasiado tempo, cerca de dois anos e tenho acompanhado a luta de várias Guerreiras e ou Vencedores, mas tenho falado muito pouco sobre mim. E este falar sobre mim precisa de sair cá para fora. Penso que me vai aliviar, deste tempo no silêncio.
Quando fiquei doente, pensei ir escrevendo e descrevendo a dor, o sofrimento, os pensamentos, para mais tarde recordar, mas como as recordações não eram boas e a disposição também não, não escrevi nada.
Vou tentar descrever o que se passou realmente comigo.
No dia 11 de Maio após fazer a mamografia e a ecografia mamária foi-me diagnosticado Cancro na Mama direira, era uma 6ª feira as 7 da tarde, fiquei atordoada, quando o médico me disse, a partir de agora só pode pensar em si, o cancro é cúravel, saí do gabinete do médico meia zonza, o meu marido estava cá fora á espera e eu sem chorar, sem mais disse-lhe que tinha cancro da mama, ele coitado ficou completamente atordoado, mas penso que como me viu reagir bem, bem não, mas aceitar logo e querer saber o que poderia fazer a seguir, para onde ir, a quem me dirigir, só que era 6ª feira á noite. Bem a noite passou-se, ainda tentei ligar para a minha ginecologista mas o telemovel estava desligado, eu estava anestesiada de uma calma profunda. No sabado resolvi ligar para a minha médica de familia, para lhe perguntar, para onde, o que fazia, para onde ia, como ia ser , queria saber se era o principio do fim. A Drª. foi uma grande amiga, aconselhou-me duas medicas uma de Santa Maria a outra do IPO de Lisboa, é claro que optei pela do IPO.
Na terça feira lá estava eu e o meu marido plantados no consultório da médica logo á primeira hora da manhã , para ver se conseguia uma consulta. Consegui uma consulta para as 3 da tarde, entretanto, fui almoçar uma bela feijoada ao restaurante do Corte Ingles, continuava a acreditar que ia conseguir dar a volta por cima, a minha calma interior dizia-me que sim, que ía conseguir.
Lá fui á consulta da dita médica do IPO, ela confirmou, passou os exames que eu tinha de fazer e ditou a setença "cirurgia conservadora da mama", 4 tratamentos de Quimioterapia mais radioterapia e hormonoterapia logo se via..
De terça até 5ª feira consegui fazer todos os exames , andando a pedir de porta em porta, mas consegui.
Na Semana seguinte na 5ª feira liguei á medica para saber o resultado da Biópsia, onde a médica me diz , afinal não é Cancro, enganei-me, eu fiquei completamente espantada, desligei o telefone,liguei ao meu marido ás minhas fjlhas, á minha mãe á minha sogra, a todos, todos tinham estado contidos até aí, visto o meu comportamento continuar mudo, vieram todos á minha casa, a explosão de alegria foi tal, a minha irmã até trouxe champanhe, a minha mãe que tinha ido pedir á nossa senhora dos milagres, convenceu-se que era milagre, era Maio, mês de Nossa Senhora, mas toda esta explosão de alegria, não estava no meu coração ele dizia-me que algo não era assim.
No dia seguinte pelas 10 da manhã liga-me o Médico que me fez a Mamografia e a Ecografia e a seguir fez-me a biopsia, diz-me então confirma-se , eu digo-lhe confirma-se que não tenho nada, ele diz-me tem, tem,
eu insisto e ele diz um nodulo dá negativo mas o outro dá positivo, como eu disse. Telefonei logo para a médica , o que é que aconteceu, só lhe tinha chegado á mão uma folha do fax, a do nodulo benigno, e ela depois de ter dados a setenças na consulta, não se preocupou se era uma folha ou duas, ainda me tratou razoavelmente mal. A Esta eu tinha mesmo que bater com a porta, eu naquela altura já só acreditava em mim e no médico, no médico já não podia continuar a acreditar. Nova volta, e como a sorte no meio de tudo isto continuou a acompanhar-me, veio-me parar ás mãos o melhor médico, a melhor pessoa, de um carinho imparável, a ele muito devo a confiança que ele me transmitiu, apesar de me dizer que era muito grave, mas era curável.
No dia 28 de Maio de 2007, já estava a ser operada, finalmente o bicho deixou-me, fiz quadrantomia e tirei 21 ganglios, estava fora de mim, agora era recuperar da cirurgia, esta correu razoavelmente bem, só a parte dos ganglios, ainda hoje me incomoda, pois é um sitio critico, e o soutien ainda continua a incomodar-me.
Agora era o esperar pelo resultado das analises do bicho, ao fim de 2 semanas chegaram, os ganglios estavam limpos, óptimo, pensei, talvez já não faça quimio, este médico ainda não se tinha pronunciado, dizia uma coisa de cada vez.Mas afinal não me safei, marcou-me consulta com o Oncologista, agora é que eu ouvi o que eu nunca quereiria ter ouvido, 4 sessões de Quimioterapia, o medo tomou conta de mim, não sei se por sempre ter pensado, se tivesse esta doença nuna faria Quimio, só pensei, foi só da minha cabeça, para me curar tinha de fazer.
No dia 21 de Junho de 2007 ás 10 da manhã,  lá estava eu no Hospital da Luz para fazer a 1ª Quimio, quando me sentei na cadeira, a minha cara era de terror, quem até aí nunca tinha chorado, nem esperneado, naquele momento, estava pronta para fugir e tenho a certeza que ninguém me conseguiria apanhar, mas graças ao meu querido marido, que nuna arredou pé desde que fiquei doente, ali estava ele com todo o amor e carinho, para me dar confiança, a Enfª G.A. , que sempre me acompanhou e me dava a mão enquanto aquele liquido vermelho entrava nas minhas veias á procura de algum resto do bicho. Eu perguntei-lhe, dá a sua mão a todos os pacientes? Ela respondeu-me com um carinho enorme, uns precisam outros não, por isso eu estou aqui.
A seguir veio o aviso, o cabelo vai-lhe cair a partir da 2ª semana, no sábado seguinte fui comprar uma cabeleira, por sinal bastante bonita e alguns lenços, levei-a ao meu cabeleireiro a quem devo também muito carinho, fez-lhe nuances e corte igual ao meu. No dia que caiu o primeiro cabelo, pensei não vou deixar cair mais nenhum, quem o quer cortar sou eu, já me tinha mentalizado para isto e fiz, rapei o cabelo todo e sai com a minha cabeleira, em casa estava sempre de lençoou careca, para me sentir mais confortável.
As minhas filhas e o meu marido no silêncio e no sofrimento deles aceitavam muito bem ,se eu queria estar sem nada, para eles estava bem, só queriam o meu conforto e achavam que eu estava sempre linda.
A seguir fiz 30 tratamentos de Radioterapia e depois começei a fazer o Tamoxifeno.


Todo este caminho de espinhos, foi percorrido e conseguido pelo Amor , Carinho, Amizade que todos me deram.
Ao meu marido e ás minhas filhas um obrigado muito especial, porque foi com eles e por eles que eu consegui viver.

21 comentários:

Graça disse...

Olá Geninha,
Que grande testemunho!!
Revi-me na tua história.
São momentos muito maus, que tentamos esquecer, mas não conseguimos, e quando falamos deles não é como um lamento, mas como um grito de vitória, eu ás vezes penso "como é que eu consegui? isto não me aconteceu!!), acho que é sinal que está tudo a voltar ao normal!
temos te acreditar que sim, que o pior já passou.

Beijinhos
Bom Fm de Semana

angelina disse...

bom dia amiga graças a Deus nunca fui comfrontada a esta doença
mas tenho tanto medo que um dia tambem me aconteça
sò peço a Deus para ter essa coragem para seguir sempre em frente e sair vençedora de essa luta
beijinhos e um bom fim de semana
angelina

Teresa disse...

Geninha, obrigada por esta partilha, espero que te sintas bem por nos teres contada tua história. A emoção é muita deste lado, já que é impossível não nos sentirmos parte de um todo e, por isso, a tua história é também um bocadinho nossa.
Um beijinho grande,
TeresaP

TeresaM disse...

Geninha, como nos revemos no teu dia e, nos que se seguiram. Estranha coincidência, em 2006 também foi em Maio que soube que estava doente. Deixei passar o dia 12 de Maio, (a minha filha fazia 16 aninhos), deixei passar os exames de Junho e só lhes contei (aos dois filhos) mesmo antes de ser operada - a 8 de Junho.
Obrigado por teres "deitado" cá para fora a tua história.
Um grande beijinho

Ana Paula disse...

Também eu sou uma guerreira que se indentifica e muito com o seu percurso.
Neste momento consigo falar no passado e dizer Tive cancro damama. Se no futuro vier outro cá estarei para lutar de novo.

Beijinhos

Cinda disse...

Olá Eugénia, bom dia.
Foi óptimo ter feito esta partilha.
Para si foi certamenta o deitar fora uma coisa que a atormentava e para todas nós, foi deixar-nos conhecer um bocadinho mais a mulher que nos segue e nos apoia nos nosssos desbafos.
Eu também fiz essa partilha, só que no início do meu blogue. Tive necessidade de o fazer, porque seguia atentamente todas as outras em silêncio e só um ano e meio, após a cirurgia decidi criar o meu dário.
Comigo aconteceu tudo assim, com a agravante, de que fiz mastectomia, retirei 28 gânglios, três dois quais metastastisados e foi também a mama direita.
Mas estou aqui com muita vontade de viver e continuar a lutar, porque tenho uma filha linda que me dá a maior força e uns pais incansáveis, assim como uns Amigos de verdade.
O pior já passou, agora vivemos a vida um dia de cada vez e damos muito mais valor a tudo e a todos.
Um beijo muito grande e tudo de bom.

Lina Querubim disse...

Lembras-te muito bem de datas. Eu só me recordo da data do dia que fiz a citologia e do dia que fui operada de resto...foi tudo entre a descoberta da doença e ser operada um mês e meio. Mas recordo tudo como se fosse ontem!
Só não sei mm é as datas...é complicado reviver tudo mas é a nossa realidade e não tenho problemas nenhuns em dar o meu testemunho!
Temos que ter confiança e acreditar que dias "menos" bons já foram!
Beijinhos e bom fim de semana!

Graça disse...

Boa tarde.
Não sei se há estatisticas sobre isso, mas por aquilo que me apercerbo, o cancro da mama aparece com mais frequência na mama direita, porque será?
a minha também é a direita.
podiamos entre nós fazer essa estatistica, só por curiosidade!
beijinhos

Anónimo disse...

Márcia diz:
Geninha...bom sábado á voce!
Muito obrigado pelo carinho demonstrado por perguntar sobre mim,ontem.Na segunda feira o médico quer falar comigo...vamos ver...
Agradeço por partilhar tua história conosco,nos identificamos muito com tudo que passou...PASSOU,Graças a Deus!!
Venceu...e agora é viver com muita alegria,com tudo que a vida tem de bom!!!!

beijinhosss

Anónimo disse...

Geninha
Ao ler o que escreveste, as lagrimas caíram--me pela cara sem conseguir controlá-las, tal como no dia em que me telefonaste e disseste: "Ana, tenho cancro".
Tudo desabou nesse momento, perdi o chão, senti que o mundo ía acabar. A minha mana-mãe está doente,o que vou fazer sem a força dela, sem o apoio que tanto preciso. Que pensamento tão egoísta, a pensar em mim e tu que estavas doente.
Só depois, vi e aprendi mais uma vez contigo que nada estava perdido e que tinha de ser forte e apenas estar ao teu lado. Assim foi uma grande lição, tu que estavas doente continuavas com uma força estrondosa e a transmiti-la a nós.
Foste e és UMA GRANDE MULHER e eu AMO-TE !!!
Antes de terminar, quero deixar um MUITO OBRIGADA ao meu cunhado que esteve e está sempre sempre ao lado da minha irmã. Quando olho para os dois, vê-se AMOR, o verdadeiro amor.
"MUITO OBRIGADA JORGE"
P.S Também te curto bué...
Beijos aos dois
Ana Macieira

Xekim disse...

Olá Geninha.

Feliz domingo, com tudo de bom.

Beijinho.

Natália disse...

Olá Geninha
As nossas histórias acabam por ser todas semelhantes,revi-me nas tuas palavras,hoje não vim à Net,tive cá o Rafael além disso acho que me enganei nos comprimidos de manhã e andei todo o dia aparvalhada e cheia de sono dormi a tarde toda com o menino.
Beijinhos e uma boa noite para ti.

isabel lopes disse...

Amiga Geninha
Como é angustiante ler todo esse seu sofrimento, não consegui conter as lágrimas, lágrimas essas que são de tristeza e ao mesmo tempo de um grande contentamento porque todas essas palavras são escritas por si, hoje seguramente uma mulher diferente, mas forte e cheia de energia e isso me dá uma enorme alegria.
Um Beijo tamanho do mundo e muita força.

Anónimo disse...

Márcia diz:
GENINHA...um bom domingo!!!!
beijinhos

Natália disse...

Geninha
Foste outra vez laurear a peneira,olha o frio.
Beijinhos e bom domingo.

Xekim disse...

Olá Eugénia.

Li o seu relato do princípio ao fim.

Só por isso, se me permite, deixe-me dar-lhe um forte abraço em forma de xi-coração.

Nunca virar as costas a um problema é a melhor forma de o combater.

Um beijinho especial no seu coração.

Gatapininha disse...

Olá Geninha
Gostei muito da força que transmitiste no teu testemunho.

Jokas e boa semana.

Natty disse...

Olá Geninha, li e emocionei-me com a tua história e acho que fizeste bem em a partilhar com todos nós. Geninha, OBRIGADA por nos teres dado a conhecer um bocadinho GRANDE de ti e da MULHER LUTADOR que és.
Xisinho grande bem apertadinho e boa semana.
Natty

Anónimo disse...

Olá Mana,
É uma grande alegria constatar que continuas uma vencedora! Agora vejo que ganhaste mais uma batalha ao expores ao mundo esta tua vitória.
A vida está constantemente a colocar-nos desafios para nos pôr à prova e só os ultrapassamos quando tiramos partido desses desafios e vemos o que eles trouxeram de bom à nossa vida.
O desafio que venceste, levou a que entre outras coisas tivesses conhecido pessoas exepcionais, alterasses alguns hábitos,..., criasses este blog e passasses a ter vitórias diárias sempre que relatas o que te vai na alma, ajudando todos aqueles que se revêem de alguma forma naquilo que escreves.
Um grande beijinho e um OBRIGADO POR TUDO.
Francisco

Madalena disse...

Esses altos e baixos das biópsias devem ter sido terríveis!Onde é que foste operada? Eu fui em S. José e fiz radioterapia em Santa Maria. Um beijinho, Geninha!

Geninha disse...

Madalena

Fui operada no Hospital de Jesus em Lisboa, o meu médico só operava lá ou no IPO, agora passou para o Hospital da Luz.

Beijinhos